segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Amo-te e...



Amo-te e não vou negar

Quero-te e não vou negar

Desejo-te como o amanhecer de todos os dias

Sonho-te como o pôr-do-sol de todas as estações

És raio de sol que me aquece

És roupa que me veste

És sangue que me corre nas veias

Dás-me vida, dás-me coragem para seguir no dia-a-dia

Amo-te e não vou negar

Quero-te e não vou negar

És fonte de água cristalina que me mata a sede

És colchão no qual eu descanso

És abraço em dia de desgosto

Meu fruto desejado, no céu…

Eu sei que nos vamos encontrar.


                                                                                                            Helena Isabel

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Por mim passou


Já não tenho folha de papel

O tempo queimou

Por mim passou

Gáudio, alegria

Um aprazimento descontente,

Paz… o ficar assim.

De poesia inacabada, já não sou morrente.

Sem veias nem ideias

Sem escrita no meu mundo

Dia-a-dia

De um ler ausente, já não sou presente

Sem palavras ou fantasia

Versos chorados, não rimados

Do tempo permanente, já não tenho melancolia

Por mim passou a poesia!




                                                                                                                        Helena Isabel

sábado, 19 de fevereiro de 2011

domingo, 13 de fevereiro de 2011